sexta-feira, 17 de maio de 2013

Estranhos Conhecidos Cap. 04


Decidido, Daniel voltou para falar com Mila, mas a viu abraçando um garoto na porta de casa, então ele resolveu esquecer tudo o que houve e foi para casa.
No dia seguinte Mila ouve a campainha tocar. Quando abriu a porta teve uma surpresa:
— Oi! Bom dia — disse Daniel.
E Mila respondeu surpresa: — Bom dia — ela perguntou: — O que faz aqui?
Daniel respondeu: — Estou procurando a Marília.
Mila achou estranho o fato de ele procurar por Marília, então perguntou: — É alguma brincadeira de mau gosto? Já vou avisando que detesto esse tipo de piada!
Sem entender nada Daniel respondeu: — Não é brincadeira, este é o endereço da tia Marília, foi minha mãe quem me deu. Olha aqui o papel.
Daniel entregou o papel para ela, que pode constatar que o rapaz falara a verdade.
Ela respondeu: — Esse é o endereço dela, sim. Mas ela não poderá atendê-lo.
Daniel insistiu: — Me desculpe, mas é muito importante que fale com ela. Você poderia chamá-la, por favor?
Entretanto, Mila não conseguiu se conter e começou a insultar Daniel: — Você é muito estúpido! Como pode vir até a minha casa e me fazer uma brincadeira dessas? Imbecil, idiota, vi embora da minha casa!
Sem entender nada ele tentou explicar, mais uma vez: — Olha, eu realmente não entendo a sua reação. Já te disse que não é brincadeira, estou procurando minha tia porque preciso falar algo muito importante com ela.
Exaltada Mila respondeu: — E eu já te disse que não poderá falar com ela!
Daniel então perguntou: — E por que eu não posso falar com ela?
Mila respondeu, baixando o tom de voz: — Porque minha mãe morreu há três anos!
Daniel, desconsertado, retrucou: — Oh, eu sinto muito... Eu... Eu não sabia. Desculpe-me, eu não queria incomodar, só precisava falar com ela.
Tentando conter a curiosidade, Mila perguntou: — O que você queria falar com ela? Você disse que era algo importante.
Daniel não quis revelar o motivo da visita: — Esquece, agora não tem mais tanta importância. Desculpe-me por incomodar e, sinto muito pela sua mãe.
Mila, tentando prolongar a conversa, perguntou: — Você conhecia a mamãe há muito tempo?
Daniel respondeu: — Desde que eu tinha cinco anos. Ela e minha mãe eram amigas. E antes de... Antes de...
Mila perguntou: — Antes de quê? Que mal educada, nem te convidei para entrar! 
Daniel respondeu: — Não precisa, eu tenho que ir.
Mila insistiu: — Por favor, é o mínimo que eu posso fazer.
Daniel disse: — Tudo bem, mas não vou demorar muito, não quero incomodar.
Daniel entrou reparando tudo, como faz alguém que entra em lugares desconhecidos.
Mila disse para ele se sentar e perguntou: — Você aceita um suco, um chá ou café?
Daniel respondeu: — Um suco, por favor.
E Mila disse: — Só temos suco de laranja. Pode ser?
Daniel respondeu: — Pode.
Continuando o assunto, ela disse: — Você não me falou o que queria conversar com a minha mãe. Se é que eu posso saber.
Daniel tirou um gole do suco, colocou o copo na mesa de centro e respondeu: — Antes de morrer, a minha avó disse que sua mãe sabia quem era meu pai biológico.
Mila perguntou: — A sua avó não conheceu seu pai biológico?
Daniel disse: — Não. Ele saiu da nossa cidade para trabalhar, quando minha mãe descobriu que estava grávida. Era uma gravidez de risco, então ela voltou para a casa da minha avó.
Querendo saber o resto da história, a menina perguntou: — E seu pai não procurou vocês?
Ele respondeu: — Não sei. A única coisa que eu sei é que ele morava nessa cidade e que era muito amigo da tia Marília.
Sem entender que relação tinha a história de Daniel com a mãe, Mila perguntou: — E como você conheceu a minha mãe?
Daniel explicou: — Minha mãe estudou com ela, desde o ensino médio até a universidade. Então mamãe conheceu um rapaz, e foi morar com ele. Ele conseguiu um trabalho em outra cidade e, teve que deixar minha mãe. Foi a tia Marília quem ajudou a minha mãe a voltar para a casa da vovó. Quando soube que a mamãe havia morrido, a tia Marília ajudou a minha vó a cuidar de mim. Eu lembro que ela foi morar na nossa cidade por um tempo. Ela chegou à nossa casa com um bebê, devia ter três anos de idade, uma menina linda. A gente brincava bastante, mas a tia teve que voltar para cá e, deixou o endereço dela com a minha avó. E foi procurando esse endereço que eu quase te atropelei.
Mila perguntou: — A sua avó morreu do quê?
Ele respondeu: — Infarto. Ela morreu a caminho do hospital.
Mila retrucou: — Sinto muito.
Querendo saber mais sobre a morte da tia, Daniel perguntou: — Como a tia morreu?
Mila respondeu: — Ela sofreu um acidente. Foi horrível. Um carro avançou a preferencial e pegou o carro dela em cheio. Mamãe ficou presa nas ferragens e o carro explodiu. Eu lembro que as pessoas tentaram ajuda-la, mas ela pedia que me tirassem do carro primeiro. Foi quando um homem conseguiu me tirar do carro... — tentando segurar o choro, ela continuou — não deu tempo de tirar a minha mãe. Antes de o carro explodir, ela ainda conseguiu dizer que me amava.
Mila não conseguiu conter as lágrimas, então Daniel a abraçou fortemente, na tentativa de consolar à garota.

Continua>>>

Mesmo através da dor, Daniel e Mila conseguiram se entender. Será que eles vão continuar assim?
Não perca o próximo capítulo!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário.
Por favor, não use palavras de baixo calão, caso contrário seu comentário será excluído. Ok?

Euzi Pink

Marcadores

Quem sou eu

Minha foto

Posso não ser a mais forte ou a mais inteligente nem a mais bonita e nem a mais legal ...
Mas sou forte o suficiente para lutar.
Inteligente o bastante para aprender .
Legal a altura de não ser chata.
E bonita ao ponto de não ser feia!

Arquivo do blog